Por que a esquerda odeia Chaves?

Pouquíssimos artistas conseguem ser tão amados e respeitados quanto o recém falecido Roberto Gómez Bolaños. Sua morte foi lamentada ao redor do mundo por pessoas das mais variadas idades, classes sociais e credos. A maior de suas criações foi o seriado “El Chavo del Ocho”, “Chaves”, no Brasil. É difícil encontrar quem não tenha se rendido ao talento daquela trupe que sabia fazer rir sem apelações. Mas há quem sinta um profundo ressentimento pelo sucesso do programa. Li alguns textos críticos ao trabalho de Bolaños, a maioria de autores marxistas inconformados pela série não seguir a linha esquerdista de enxergar o mundo. Eis algumas características do programa que os esquerdistas mais fervorosos não engolem:

O criador era conservador

O criador da série nunca escondeu suas convicções políticas. Apoiou candidatos tidos como conservadores no México, entre eles o ex-presidente Vicente Fox, cuja eleição em 2000 tirou o poder das mãos do Partido Revolucionário Institucional após 70 anos de governo. Católico, Bolanõs se uniu a grupos ligados à Igreja contra a legalização do aborto no México em 2007.

O capitalista não era malvado

Se há uma figura no seriado que pode ser associada ao sistema capitalista é o senhor Barriga. Homem bem nutrido, era o dono da vila, cobrava aluguel e tinha um padrão de vida muito superior ao de seus inquilinos. Seguindo o antigo clichê marxista, tal personagem deveria ser retratado como um tipo desalmado que oprime os mais humildes tentando saciar sua cobiça. Mas na realidade o velho Barriga era um homem de coração mole. Recebido com pancadas por Chaves quando chegava na vila, nunca levantou a mão para o garoto. Nas datas festivas trazia presentes para crianças e adultos. Numa ocasião em que todos da vila haviam viajado para o litoral, Barriga sensibilizou-se ao ver Chaves sozinho e levou-o para conhecer as praias de Acapulco. O ápice da simplicidade acontece quando o rechonchudo hospeda os inquilinos em sua própria casa quando a vila passava por reformas. Retratar um homem de negócios de forma tão humana, é algo que a turma canhota jamais perdoará.

O menino pobre preferiu o trabalho à vitimização

Todos conhecem aquela absurda teoria difundida por sociólogos de esquerda de que as pessoas cometem crimes porque são pobres. Bem, com Chaves não foi bem assim. Apesar da má sorte, o garoto sempre procurou batalhar para sobreviver. Além de frequentar a escola, Chaves vendia latas e garrafas vazias, jornais e refrescos. Um pequeno órfão que prefere empreender ao invés de roubar ou esperar por benefícios estatais, é um personagem difícil de ser digerido por um esquerdista.

Personagens não seguem a cartilha feminista

Feministas tendem a tratar as mulheres como oprimidas por uma sociedade machista e patriarcal. Para elas é inaceitável que uma mulher prefira ser uma dona-de-casa que ama seu filho ao invés de uma vadia (como elas mesmas se intitulam). Veja, por exemplo, o que a jornalista Sylvia Colombo escreveu na Folha de São Paulo sobre a série: “(…) Os roteiros eram estúpidos, os textos, fraquíssimos, as piadas, preconceituosas e machistas _basta ver como são retratadas as mulheres no programa. Temos a menina histérica de vestido curto, a mulher mandona cheia de bobs no cabelo, ou uma mais velha, que sem rodeios é chamada de “bruxa”. Sem contar o modelo masculino (seu Madruga), um sujeito folgadão, desbocado e autoritário, a homofobia implícita de seu discurso e suas atitudes. (…)”

Com base nisso, podemos analisar algumas personagens:

Dona Florinda – Dona-de-casa e viúva. Vive com o dinheiro da pensão deixada pelo falecido marido. É mãe superprotetora que adora mimar seu único filho, Quico. Apesar de não ser má pessoa, Florinda agride constantemente seu vizinho Madruga. O homem franzino recebe as bofetadas servilmente, jamais se atrevendo a levantar a mão para sua agressora. Na maioria das vezes ele apanha injustamente.

Chiquinha – Apesar da pouca idade, é uma menina muito esperta. Para obter algo que deseja, mente e manipula seu pai e amigos se for preciso. Muitas vezes se aproveita da ingenuidade de Quico e Chaves para pregar-lhes peças.

Dona Clotilde – Uma solteirona com idade avançada. Talvez por não ser muito bonita, é constantemente chamada de bruxa pelas crianças da vila (muitas feministas devem ter se identificado). É apaixonada por Madruga, mas não é correspondida. Vive só, mas nunca desiste de conquistar o homem que ama.

Bem, uma dona-de-casa e boa mãe, que não tem nada de oprimida. Uma menina que manipula as pessoas. E uma mulher chamada de bruxa que tenta conquistar um homem tido como machista. Está explicado por as feministas vão à loucura com o programa.

Os personagens reforçam a “moral burguesa”

Uma das características mais marcantes da série são os valores e princípios morais que os personagens acreditam. Seu Madruga ensina frases profundas às crianças. Entre as mais emblemáticas estão: “A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena”, “As pessoas boas devem amar seus inimigos” e “Dar acostuma as pessoas à vadiagem”. No episódio em que comemoravam o aniversário de Quico, dona Florinda ensina o filho a compartilhar suas coisas com os amigos. Após a comemoração, Chaves aparece sentado ao lado de seu Madruga dividindo os sanduíches que trouxe da festa. O velho não tendo muito o que compartilhar, divide um copo de refresco com o menino. São pequenos gestos que reforçam o senso de moralidade em quem assiste. Obviamente os relativistas não recebem esses ensinamentos muito bem.

A exaltação da fé cristã

Há momentos que deixam transparecer a religiosidade de Bolaños. Por exemplo, fica claro em alguns episódios que Chaves é um menino católico. Certa vez, depois de acertar mais uma golpe no senhor Barriga, o velho pergunta: “Quando é que eu vou chegar nessa vila sem que você me receba com pancadas?” Chaves responde: “No domingo quando eu tô na missa”. Em outra ocasião Chaves é acusado injustamente de roubo. Mais tarde, quando as coisas já estavam resolvidas, ele conta aos amigos que esteve numa igreja para se confessar com um padre.

Em alguns episódios Chaves canta canções de cunho religioso. Eis alguns trechos:

“Queria ter sido um pastor
Daqueles que na noite bela

Chegaram para ver Jesus
Seguindo a luz, de uma estrela.”

E também:

“Triste de verdade
É perder uma amizade
Mas sabe na tristeza
Chame Jesus
Porque ele não deixa
Sem resposta qualquer queixa
Não há quem seja como Jesus.”

Embora existam idiotas úteis que acham possível ser cristão e esquerdista ao mesmo tempo, sabemos que partidos de esquerda pretendem erradicar a religião, que eles chamam de “ópio do povo”. Aqueles da linha gramsciana nutrem um ódio especial pela Igreja Católica, que consideram o maior dos obstáculos à revolução. Logo, esse lado cristão de Chaves não agrada àqueles que pretendem destruir o Cristianismo.

Não é politicamente-correto

Na época em que o seriado era gravado, não havia toda essa frescura politicamente-correta de hoje. Coisas que seriam imprensáveis em programas de hoje, nós vemos em Chaves. Por exemplo: o professor Girafales fumava charuto quase o tempo todo, mesmo em sala de aula. O mesmo professor flertava com a mãe de um de seus alunos. O que hoje se chama de bullying, era rotina entre os moradores da vila. Eles caçoavam do gordo dentuço, da menina baixinha, do garoto bochechudo e do menino faminto e sujo. Todos ficavam bravos mas sempre perdoavam as “ofensas”. Certa vez, seu Madruga imaginando estar sozinho, começa a imitar dona Florinda para abrandar a raiva que sentia no momento. Chaves observando a cena diz: “rebolando desse jeito nem parece homem”.Impensável hoje em dia, não é mesmo?

Como o politicamente-correto nasceu com os ideólogos esquerdistas da Escola de Frankfurt. Não seguir essa cartilha é mais uma característica da série que não agrada os “canhotos”.

Esses foram alguns pontos do trabalho de Bolaños que causam repugnância nas esquerdas. É claro que os menos ortodoxos ignoram tudo isso em nome do bom humor. O que é uma atitude muito sensata, afinal, estamos apenas tratando da obra de um grande artista. Algo que todos podem usufruir independentemente da ideologia.

Ainda há muito conteúdo que poderia ser acrescentado a este texto, mas já me prolonguei demais. Encerro agradecendo a Roberto Bolaños pelas risadas que me proporcionou. Tenho certeza que muitas gerações ainda hão de rir e se emocionar com o “moleque do oito”. Parafraseando nosso querido chavinho: Bolaños morreu mas não perdeu a vida.

Por: Alex S. Arruda

Originalmente publicado aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s