Nem Jô Soares nem Didi; para quem nasceu nos 80, só Chaves importa

O maior comediante do Brasil não era brasileiro. Ao menos para quem nasceu durante os anos 1980, não houve um personagem tão marcante na TV quanto Chaves.

Lá em casa, o Chapolin Colorado e a turma da vila do Chavito eram a companhia perfeita durante a hora do almoço antes de ir para a escola. Todos os episódios tinham as mesmas piadas, os mesmos casos e, ainda assim, eram sempre maravilhosos.

Os bordões, repetidos à exaustão, são repetidos por toda uma geração. Algumas frases viraram sínteses de situações da vida. Uma porta automática deixa de funcionar e lá vem alguém soltar um “Pepeeeee, já tirei a vela!”, em referência ao capítulo do Chapolin em que um homem é encarregado de abrir uma passagem supostamente eletrônica.

Vai ao cinema e o filme é ruim? “Teria sido melhor ir ver o filme do Pelé.” Choveram pedras de granizo? Não, não são pedras, são aerolitos! Isso sem contar o clássico “Não contavam com a minha astúcia!”. Hoje, o ideal seria “Prefiro morrer do que perder a vida”.

Nem Chico Anysio nem Didi Mocó, muito menos Jô Soares. Roberto Bolaños foi o dono dos momentos mais engraçados em frente à TV de todas as crianças das décadas de 1980 e 1990.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s